Sábado, 24 de Junho de 2017

Nossa história

Publicado:

História do petróleo na Bahia e fundações dos sindicatos de petroleiros

A Bahia é o berço nacional da extração do petróleo. Foi aqui, na nossa terra, que foi constatada a existência de petróleo no Brasil. E isto ainda na época do Império, quando o Marquês de Olinda cedeu o direito a José Barros de Pimentel de realizar a extração de betume nas margens do rio Marau, na Bahia.

Em 1930, o Engenheiro Agrônomo Manoel Inácio Bastos, realizando uma caçada nos arredores de Lobato, tomou conhecimento que os moradores usavam uma “lama preta” como combustível de suas lamparinas. O engenheiro realizou testes que atestaram a existência de petróleo na localidade. Mas somente em 1933 o debate sobre a real existência do petróleo no Brasil em bases comerciais ganhou destaque. E em 1937 se deu a perfuração de poços na área de Lobato, mas sem sucesso.

Em 29 de julho de 1938, já sob a jurisdição do recém-criado Conselho Nacional de Petróleo - CNP, foi iniciada a perfuração do poço DNPM-163, em Lobato. No dia 21 de janeiro de 1939, finalmente, eis que surge o petróleo ocupando parte da coluna de perfuração. Apesar de ter sido considerado antieconômico, o poço foi, segundo os historiadores, de fundamental importância para o desenvolvimento da atividade petrolífera na Bahia.

No ano de 1941, o governo brasileiro anunciou o estabelecimento do campo de exploração petrolífera de Candeias, na Bahia, quando foi descoberto o poço Candeias-1, o primeiro do país com produção comercial de petróleo. O surgimento dessa nova riqueza incentivou, em 1953, a oficialização do monopólio estatal sobre a atividade petrolífera e a criação da empresa estatal “Petróleo Brasileiro S.A.”, mais conhecida como Petrobras. Até 1965, a Bahia foi o único estado nacional a produzir petróleo.

Após a decadência da indústria açucareira no país, a descoberta foi um marco e incentivou o desenvolvimento econômico e cultural na Bahia. Além de contribuir com a evolução tecnológica do Estado. A partir da descoberta do petróleo e da criação da Petrobrás surgiu também uma das categorias mais fortes e combativas do Brasil: a categoria petroleira.

A história dos sindicatos dos petroleiros na Bahia se confunde com a própria História da luta pelo descobrimento e produção de petróleo no Brasil. No processo de consolidação da descoberta e produção do petróleo, logo após a criação da Petrobrás, pelo governo Getúlio Vargas, surge em 1957, o primeiro Sindicato dos Petroleiros do Brasil, o antigo STIEP ( Sindicato dos Trabalhadores de Extração de Petróleo).

Em 1948 começa a funcionar a Refinaria de Mataripe (RLAM), porém, somente em 1959, no período de ampliação da refinaria é que surge o SINDIPETRO- sindicato dos petroleiros no refino. De 1959 até 1996, estes dois sindicatos representaram os petroleiros na Bahia. Em 1996, com duas diretorias CUTistas, acontece a unificação do STIEP com o SINDIPETRO, nascendo então o SUP - Sindicato Único dos Petroleiros da Bahia.

Em abril de 2000, foi reconhecida, oficialmente, a união do Sindiquímica com o SUP, surgindo o Sindicato dos Químicos/Petroleiros-Bahia. Mas no ano de 2011 no mês de agosto, atendendo à reivindicação da categoria petroleira, os dois sindicatos se separam e surge novamente o SINDIPETRO BAHIA.

É com muito orgulho que a atual direção do Sindipetro Bahia entrega à categoria uma nova sede, ampla e totalmente reformada. Nosso objetivo é dar conforto, acessibilidade e oferecer um bom serviço aos associados (as). Bem vindos (as) à sua nova casa!