Segunda-Feira, 22 de Maio de 2017
Publicado: 19/05/2017

Passeata no centro de Salvador exige FORA TEMER e DIRETAS JÁ!

Em passeata que saiu do Campo Grande em direção a Praça Castro Alves, nesta tarde de sexta (19\05), reunindo centenas de pessoas, a Frente Brasil Popular, centrais sindicais, sindicatos e movimentos sociais exigiram “FORA TEMER, RETIRADA DAS REFORMAS DO CONGRESSO E DIRETAS JÁ”.     

Durante a passeata, trabalhadores, militantes e dirigentes sindicais se juntaram ao povo e repudiaram o governo golpista e ilegítimo que está atolado na corrupção com a delação feita pelo empresário Joesley Batista, do grupo JBS. Nos áudios gravados, aparece o golpista Temer, entre outras coisas, fazendo negociatas e mandando pagar mesada milionária pelo silêncio do ex-deputado e presidiário Eduardo Cunha, seu comparsa no processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff.

Para o diretor do Sindipetro Bahia, André Araújo, “investigado pelo Supremo Tribunal Federal e com oito pedidos de impeachment no Congresso, o ilegítimo Temer teve a “cara de pau” de não renunciar, mesmo diante das provas consistentes divulgadas pelos meios de comunicação”.  Envolvido também nas gravações pedindo propina ao dono do grupo JBS, Aécio Neves foi afastado do Senado pelo STF e obrigado a renunciar da presidência do PSDB.    

A direção do Sindipetro Bahia e a FUP consideram que Temer, depois das gravações, não tem mais legitimidade para continuar na presidência da República e ressaltam também a exigência da saída imediata de Pedro Parente, com a anulação de todos os atos da sua gestão na Petrobrás. “Parente assumiu o comando da estatal através de um golpe, que está sendo, finalmente, desmascarado. Assim como Temer, ele não tem legitimidade para continuar à frente da Petrobrás”, diz o coordenador do Sindipetro, Deyvid Bacelar.

Em nota, a CUT cobra a saída imediata do presidente ilegítimo e que a decisão de escolher um novo presidente da República seja devolvida ao povo, “reparando o crime cometido pelas forças conservadoras que cassaram, com o golpe, a vontade popular e soberana expressa nas urnas em 2014”.

Para a CUT, “além do novo Presidente, queremos eleger um novo Congresso com poderesconstituintes para efetuar as mudanças  visando fortalecer a democracia e  abrir caminho para as necessárias reformas estruturais pelas quais lutamos há décadas, como a reforma política, reforma agrária, democratização dos meios de comunicação, reforma tributária, reforma urbana. A maioria dos atuais congressistas foi  eleita com o apoio dos empresários para defender seus interesses,  está comprometida com o golpe e defende outra agenda, a agenda neoliberal dos próprios  empresários e\ou do mercado, encampada pelo governo ilegítimo como moeda de troca pelo  apoio recebido no golpe”.

 

FORA TEMER! 
DIRETAS JÁ!