O que você achou dessa matéria?
bom (0) ruim (0)
Publicado: 08/02/2018 | 343 visualizações

Carnaval da CUT Bahia é em defesa da democracia

Maior festa popular do mundo, o Carnaval também é um momento fundamental de conquista de território para a luta em defesa da democracia e pelo direito de Lula ser candidato.

É motivado por esse protagonismo, que a direção da CUT Bahia levará às ruas durante a folia, festas populares nos bairros e no tradicional cortejo da Mudança do Garcia, o enfrentamento cotidiano na busca por ampliação dos direitos da classe trabalhadora e a reafirmação da democracia, na ocupação do espaço público, que é nosso e não do setor privado golpista.

Quem estará nos circuitos, além da alegria, também precisa ser contagiado pela luta popular que é histórica do povo baiano. Por isso, o bloco da CUT Bahia estará junto com o bloco Q Felicidade, no Campo Grande - na sexta do Carnaval - e na Mudança do Garcia, na segunda (12\02), com a representatividade das nossas bandeiras de luta e na construção da nossa ideologia, a favor da democracia política durante a folia.

Neste sentido, o presidente da CUT Bahia, Cedro Silva considera fundamental levar o vermelho da CUT para conduzir um Carnaval e festas populares mais ideológicos neste ano decisivo. “Para a Central Única dos Trabalhadores da Bahia, o Carnaval é a continuidade de nossa luta, é um importantíssimo local para estarmos juntos, na  busca incansável por soberania da vontade do povo e pelo direito de Lula ser candidato, pois quem está contra a classe trabalhadora, tramando o desmonte do país, não descansa. Nós também não, com esse intuito, as festas populares nos bairros e o Carnaval também será espaço de luta ideológica com alegria do nosso povo”, destaca Cedro.

Será mais um ano em que a CUT Bahia cumprirá seu papel de mostrar que Carnaval não é só brincadeira, mas com felicidade levaremos para o circuito as marchinhas que façam críticas às tentativas de desmonte do país, os sambas que mostram a realidade da população e com nossas bandeiras de lutas. Segundo Cedro Silva, “mais do que nunca precisamos ocupar as ruas, que é nosso ponto de encontro para estabelecer o debate com toda a sociedade”.

 

ASCOM\CUT BAHIA\Aline Damazio