O que você achou dessa matéria?
bom (11) ruim (15)
Publicado: 15/05/2018 | 1314 visualizações

7º Congresso – Abertura do evento teve foco na luta histórica dos petroleiros

O 7º Congresso d@s Petroleir@s da Bahia foi aberto na noite desta sexta-feira, 18/05, com um auditório lotado composto por delegados e delegadas, representantes da categoria. Além de diversas autoridades.

Na mesa de abertura estavam presentes, o ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, a senadora  Lídice da Mata,  o  presidente  do PCdoB- BA, Davidson Magalhães, a secretária de Desenvolvimento Econômico do estado da Bahia, Luiza Maia (representando o governador Rui Costa). 

Além de Lorena Carneiro, da Coordenação Estadual do Levante Popular da Juventude, o presidente da CUT Bahia, Cedro Silva, o diretor do Sindipetro Bahia, Radiovaldo Costa e o coordenador do Sindipetro, Devid Bacelar e o secretário de organização estadual do PT-BA, Anisvaldo Daltro.

O coordenador do Sindipetro Bahia, Deyvid Bacelar, falou sobre a responsabilidade da categoria petroleira que irá, mais uma vez, protagonizar a história, com uma greve com parada de produção que pode ser deflagrada a qualquer momento.

Ele fez um relato citando as diversas lutas da categoria petroleira ao longo da história, “que foram feitas através de greves como a de 1983, que foi a ponta de lança para uma greve geral que sacudiu o país no final da ditadura civil-militar”. Deyvid lembrou ainda a greve de e 30 dias em 1995, que impediu a Petrobrás de se tornar Petrobrax”.

O diretor do Sindipetro Bahia, Radiovaldo Costa, afirmou que a Petrobrás está sendo saqueada a uma grande velocidade, o que é um crime, pois “essa empresa está diretamente associada à soberania nacional, com o interesses desse país, com as  futuras gerações. Não se trata de defender apenas os interesses dos petroleiros, nós estamos defendendo o interesse de mais de 200 milhões de brasileiros”.

Para o ex-governador Jaques Wagner vivemos hoje em uma ditadura disfarçada,“os golpistas não têm um projeto para o pais, eles só querem entregar o Brasil e voltar à escravatura com a reforma trabalhista.

Wagner chamou a atenção do movimento sindical, que, na sua opinião,  deve construir pontes e alianças, mas não pode perder a sua autonomia. Para ele a politica precisa do movimento sindical organizado.

Em relação à greve dos petroleiros, Wagner foi enfático “ estamos ordeiros demais para a realidade que estamos vivendo e se ordeiros continuarmos, podemos nos transformar em cordeiros de  uma ditadura hipócrita, que não assume que rasgou constituição e acabou  com a democracia”

A senadora Lídice da Mata ressaltou que a partir do golpe de 2016 todos os dias sofremos um revés nesse pais. Para ela, que acredita  que a luta pela soberania é uma das grandes pautas do nosso povo nesse momento, “a razão desse golpe teve inicio coma refinaria de Pasadina, que foi o limite do que o capital internacional podia suportar em relação ao crescimento da Petrobrás”.

O congresso segue no sábado (19) com mesas de debates e discussões de teses.

17h haverá Assembleia Geral Extraordinária para deliberar acerca do reajuste nas mensalidades dos associados. 

No domingo (20), será realizada outra AGE para a categoria propor, analisar e encaminhar mudanças no estatuto da entidade sindical.

 

FONTE –Sindipetro Bahia