O que você achou dessa matéria?
bom (1) ruim (0)
Publicado: 20/04/2018 | 1683 visualizações

Petroleiros da Bahia dizem não à venda da RLAM e das FAFEN´s e se preparam para greve nacional

Em setorial na manhã da sexta-feira, 20/04, na Refinaria Landulpho Alves, em Mataripe, trabalhadores da RLAM e da Transpetro reafirmaram a sua disposição de dar inicio a uma greve nacional contra o desmonte do Sistema Petrobrás. O anúncio da venda da RLAM (BA),  Repar (PR), Abreu e Lima(PE),  e Refap (RS), além de 24 dutos e terminais da Transpetro, foi a gota d´água que impulsionou a decisão da greve, que está sendo construída pela FUP e movimentos sociais.

Debaixo de forte chuva, os trabalhadores e trabalhadoras ouviram atentamente os diretores do Sindipetro Bahia, e juntos, pretendem encontrar uma saída para reverter essa situação, que atinge 3.700 trabalhadores, além de trazer incontáveis prejuízos para os municípios localizados no entorno das refinarias e para os estados que abrigam essas unidades da Petrobrás.    

O coordenador do Sindipetro Bahia, Deyvid Bacelar lembrou que na Bahia, onde a estatal possui a sua maior diversidade de negócios, o prejuízo será ainda maior. “Conquistamos uma vitória temporária com a suspensão do fechamento das FAFEN´s da Bahia e Sergipe -  a medida deve durar por pelo menos 120 dias, a contar a partir de 30/06/2018 – e , temos certeza, que com mobilização e articulação política e ações jurídicas podemos barrar a privatização dessas refinarias, mas isso vai depender muito do grau de mobilização da categoria petroleira, que, felizmente, vem mostrando disposição para essa luta, que também é do povo brasileiro". 

Deyvid falou ainda que a venda da RLAM, Transpetro e das FAFEN´s é um problema nacional de toda a categoria petroleira. “Estamos juntos nesse barco, se ele afundar morre todo mundo”. 

Para construir esse grande movimento paredista, o Sindipetro Bahia dará continuidade às setoriais  e  de 02 a 11 de maio estará realizando em todas as unidades da companhia uma Assembleia Geral Extraordinária, para que a categoria decida e deflagre a greve nacional por tempo indeterminado.

Fonte – Sindipetro Bahia