O que você achou dessa matéria?
bom (0) ruim (0)
Publicado: 23/04/2018 | 829 visualizações

Petroleiras debatem luta por democracia em Encontro Nacional que começa dia 27 em Natal

Entre os dias 27 e 29 de abril, acontece em Natal, no Rio Grande do Norte, o 6º Encontro Nacional de Mulheres Petroleiras da FUP. Com o tema central “Mulheres na luta pela democracia”, as trabalhadoras analisarão a conjuntura nacional e internacional, tendo como pontos de debate a retirada de direitos e os ataques à democracia.

A geopolítica do petróleo também estará na pauta do Encontro, bem como questões raciais, violência e feminicídio, participação das mulheres nas lutas política e sindical, educação para a igualdade, entre outras temáticas.

“O evento contará com uma agenda intensa de atividades para fomentar a reflexão e a construção das mudanças necessárias a serem realizadas em nossa sociedade, tanto no âmbito do trabalho e no sindicalismo para que cheguemos à igualdade”, destaca Rosângela Maria, diretora da FUP e coordenadora do Coletivo Nacional de Mulheres Petroleiras.

O Encontro pretende reunir aproximadamente 70 petroleiras e petroleiros, entre dirigentes sindicais e trabalhadores da base. Embora o público alvo sejam mulheres, a atividade é aberta aos homens. “Debateremos desde enfrentamentos às Reformas da Previdência e Trabalhista, a questões como sexualidade, controle sobre os corpos e organização dos coletivos de mulheres”, explica Rosângela, destacando a importância de todos os sindicatos estarem presentes ao evento, com representações.

Homenagem a Nísia Floresta

A luta das mulheres contra a opressão e pela emancipação feminina sempre foi a luta por direitos. As mulheres lutam por direito à liberdade, ao estudo, ao trabalho, á ter direitos. Suas lutas, ao longo da história, se entrelaçam com as lutas de toda a sociedade por liberdade e por democracia. Neste sentido, o 6º Encontro das Mulheres Petroleiras da FUP destacará a importância de Dionísia Gonçalves Pinto, a Nísia Floresta, para as lutas feministas.

Nascida em Natal, ela viveu entre 1810 e 1885 e é considerada a primeira feminista brasileira. Nísia Floresta escreveu 15 livros, defendendo os direitos das mulheres, dos índios e dos escravos. Ela também participou ativamente das campanhas abolicionista e republicana. À frente de seu teu tempo, Nísia Floresta defendeu o direito das mulheres à educação científica e, aos 28 anos, fundou uma escola só para meninas.

PROGRAMAÇÃO DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE MULHERES PETROLEIRAS

Dia 27/04

  • 14h - Recepção das delegadas e início do credenciamento
  • 15h – Lanche
  • 18h – Solenidade de Abertura – com homenagens a Nísia Floresta e às petroleiras Davina e Olga
  • 19h - ato político
  • 21h - jantar

Dia 28/04

  • 09h – Atividade musical
  • 10h – Os impactos do PNG 2016/2020 da Petrobras na região nordeste
  • 11h – Debate
  • 12h – Almoço
  • 13h30 – Apresentação teatral sobre Tereza de Benguela
  • 14h30 – O impacto da redução das liberdades democráticas na vida das mulheres brasileiras
  • 15h20 – Debate
  • 17h – Visita ao centro histórico de Natal
  • 20h – Confraternização

Dia 29/04

  • 09h – Dinâmica de integração
  • 09h30 – Balanço das atividades do CNMP-FUP
  • 10h - A pauta das mulheres para o PLENAFUP
  • 12h – Encerramento

FONTE - FUP