O que você achou dessa matéria?
bom (1) ruim (0)
Publicado: 22/11/2018 | 1329 visualizações

Sindicatos e centrais criam o Fórum Sindical do Litoral Norte e Agreste Baiano, em defesa dos direitos e da democracia


Foi realizado na cidade de Alagoinhas na última terça, 20/11, encontro com dirigentes de 15 entidades sindicais, filiadas a cinco Centrais. O objetivo foi debater a nova conjuntura política que se avizinha com um governo que antes mesmo de assumir, vem reafirmando posições antissindicais e contra os trabalhadores (as), através de diversas declarações.

O debate girou em torno da necessidade de direcionar o trabalho e o funcionamento das entidades sindicais em três pilares: unidade, planejamento e organização.

“Estamos nos preparando para defender a democracia, os direitos dos trabalhadores, a autonomia e liberdade sindical e a soberania nacional. Vamos precisar de muita união para enfrentar o que já está posto e o que está por vir”, explica o diretor do Sindipetro Bahia, Radiovaldo Costa, que ressalta ainda o protagonismo da iniciativa: “saímos na frente de uma necessidade que o movimento sindical tem de buscar e construir uma unidade, se reorganizar e se reestruturar”.
 
Como encaminhamentos iniciais, foram tiradas as seguintes ações:
- Criação do Fórum Sindical do Litoral Norte e Agreste Baiano;
- Realização de um seminário de planejamento, previsto para segunda semana de dezembro;
- Realização de um seminário de formação para dirigentes sindicais;
- Estabelecimento de plano conjunto de comunicação das entidades participantes do Fórum.

Das 20 entidades convidadas, 15 compareceram:  
Centrais Sindicais: CUT, CTB, UGT, CSP e Força Sindical.
Sindicatos: Sindipetro, Sinterpav, Sinpa, Sindacs, APLB, Sindibeb, Sintracom, Sindisaude, Sintraf Inhambupe, Comerciários Alagoinhas, Comerciários Catu, Sindicrafs, Sindiferro, Sindiagreste, e Rodoviários Alagoinhas.

Segundo Radiovaldo, o Fórum é o primeiro passo de uma organização conjunta para a resistência. “O recado que estamos dando para as categorias é que a luta não é de um segmento específico, mas de toda a classe trabalhadora, de todos os sindicatos e centrais”.
Fonte - Sindipetro Bahia